Polícia procura suspeito de matar jovem e jogar corpo em lixão no TO


11/12/2017 - 05:08
Fonte: Portal Ativo
Autor: Portal Ativo
Link Fonte

A polícia procura o principal suspeito de matar a jovem Taísa Ribeiro, de 24 anos, em Paraíso do Tocantins, na região centro-oeste do estado, no mês passado. O homem, que tem a mesma idade da vítima, foi identificado a partir das imagens de uma câmera de segurança. O nome dele não foi divulgado para não atrapalhar as investigações.

De acordo com a delegada Raimunda Bezerra, responsável pelo caso, o suspeito era apaixonado por Taísa, mas não era correspondido. Testemunhas ouvidas durante o inquérito relataram que era comum ele pular o muro da casa da jovem para vigiá-la. Um dia antes de a vítima desaparecer, o homem foi visto passando na frente da residência de Ribeiro dezenas de vezes. 

A delegada afirma que a câmera de segurança, instalada em um comércio perto da casa da vítima, não registrou o suspeito entrando na casa de Taíse, o que indica que ele pode ter invadido o local pelos fundos. "O muro na parte de trás tem um brecha que dá na casa em que o suspeito morava", explicou a autoridade policial.

As imagens da câmera mostram o momento em que Taíse deixa a casa, na madrugada de 19 de novembro, e é seguida pelo suspeito. Segundo a polícia, ela foi morta logo em seguida, provalmente por asfixia, e o corpo abandonado perto de um lixão, no setor Nova Esperança. O cadáver da vítima foi encontrado por moradores quatro dias depois do crime

A delegada pediu a prisão preventiva do suspeito, um jovem que, segundo ela, tem passagens pela polícia por violência doméstica, não possui residência fixa e tem um histórico de rejeição familiar. "Ele sofreu um acidente, passou várias dias internado em uma UTI e devido a esse amor não correspondido ficou mais introspectivo e depressivo", explicou Bezerra, que deve indiciar o rapaz por feminicídio. 

Com a quebra do sigilo telefônico de Taíse, a delegada descartou o envolvimento de outros três homens no crime. Dois ex-companheiros da jovem e uma terceira pessoa com quem ela tinha marcado um encontro pelo WhatsApp chegaram a ser investigados, mas as suspeitas contra eles não foram confirmadas.