Gilmar Mendes desempata a favor de Temer e salva mandato do presidente

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, desempatou a votação da chapa Dilma-Temer e foi decisivo para a continuidade do governo do PMDB. Por 4 votos contrários à cassação e 3 favoráveis, Michel Temer continua no poder.


21/06/2017 - 16:19
Fonte: sputniknews
Autor: sputniknews
Link Fonte

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, desempatou a votação da chapa Dilma-Temer e foi decisivo para a continuidade do governo do PMDB. Por 4 votos contrários à cassação e 3 favoráveis, Michel Temer continua no poder.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) analisava desde terça-feira, o pedido de cassação da chapa por denúncias de suposto abuso de poder político e econômico na campanha de 2014. A ação foi proposta pelo PSDB, que após o impeachment de Dilma se mostrou reticente a dar continuidade ao processo.

 

Dilma Rousseff e  Michel Temer
LULA MARQUES / AGÊNCIA PT

A Corte já dava sinais favoráveis ao presidente Michel Temer quando decidiu pela exclusão dos depoimentos da Odebrecht, do marqueteiro João Santana e da esposa dele, Mônica Moura do processo. Os depoimentos falavam em financiamentos ostensivos da campanha de 2014 por meio de Caixa 2 e propinas.

 

Votaram a favor da condenação os ministros Herman Benjamin, responsável pela relatoria do caso, Luiz Fux e Rosa Weber e contrários os ministros Napoleão Nunes Maia Filho, Admar Gonzaga, Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, os dois últimos indicados pelo próprio Temer à Corte. Com o empate, sobrou para Gilmar Mendes desempatar.

"Resolvam seus problemas, não tentem usar o Tribunal para sanar crise política", disse Gilmar Mendes, dizendo que a cassação banalizaria o mandato presidencial e a escolha popular. "É muito fácil cassar o mandato […] nessa corrida maluca em que se instalou o país. Isso não é uma ação de reintegração de posse", completou.

 

Durante o voto, Gilmar ainda afastou a tese de que estaria decidindo por motivações políticas. "Não uso o Direito para isso", afirmou o ministro, acrescentando que a Corte não deveria "brincar" com o mandato presidencial.

 

Com a decisão, as eleições indiretas para a Presidencial acontecerão apenas em caso de impeachment pelo Congresso, no qual o PMDBista tem maioria.